Bancada ruralista lança campanha contra invasões de terras pelo MST – Notícias

[ad_1]


Parlamentares da bancada ruralista iniciaram nesta terça-feira (4) uma série de ações na internet contra invasões de terras do chamado “Abril Vermelho”, promovidas pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Os deputados e senadores têm postado o material da Semana de Combate à Invasão no Campo nas redes sociais e usado a hashtag #SegurançaNoCampoJá.


“A cada área invadida no Brasil, quem perde não é só o produtor rural, quem perde é você, com aumento do desemprego e menor oferta de comida”, diz um dos vídeos divulgados pela Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), que reúne deputados e senadores ligados ao agronegócio. “Quem invade terras invade a sua casa, invade a sua mesa”, completa o narrador da gravação.



As imagens foram compartilhadas nas redes sociais por parlamentares que fazem parte da frente, que afirma que o objetivo da ação é “conscientizar sobre a importância da luta contra as invasões”.



Em outras publicações nas redes sociais, a FPA enfatiza que “invasão de terras é um crime”. “Essa prática ilegal causa prejuízos econômicos, sociais e ambientais, além de gerar insegurança jurídica e violência no campo”, diz o texto de uma postagem.



Na segunda-feira (3), o MST invadiu 800 hectares de terra de três engenhos em Timbaúba (PE). O movimento alega que as invasões são “em defesa da reforma agrária”. “Nós do MST defendemos a democratização da terra como forma de combater a fome no Brasil”, completa o movimento.










Invasões avançam no Brasil









Só na primeira semana de março, ao menos cinco outras ações do movimento foram registradas na Bahia. Houve registro de derrubada de árvores em uma das localidades. A justificativa dada pelo MST é o descumprimento, por parte da empresa Suzano, de um acordo firmado em 2011 para o assentamento de famílias.


No norte da Bahia, também houve registros de invasão. Em Jacobina, mais de 150 pessoas ocuparam uma fazenda, disseram que o local tem 1.700 hectares abandonados e reivindicaram a “desapropriação imediata” para a realização de assentamento. Os proprietários negam a alegação de que a área está abandonada e acionaram a Justiça para responsabilizar os invasores.


Leia também: Invasões avançam; Lula mantém silêncio e acentua desgaste com o agro


O MST também ocupou, neste mês, a fazenda Santa Maria, na região da Chapada Diamantina, durante a Jornada de Luta das Mulheres Sem Terra.


CPI do MST


As negociações para a abertura de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar as recentes invasões promovidas pelo MST ganhou força depois que deputados conseguiram assinaturas suficientes para sua instalação. Entidades ligadas à agricultura já pressionam o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), para abrir os trabalhos do órgão.


Lira é membro da Frente Parlamentar do Agronegócio (FPA) e tem participado das reuniões do grupo. A base do governo Lula, no entanto, aposta em uma não instalação e sustenta não haver fato determinado a ser apurado.


Para a bancada ruralista, há, sim, motivo certo para as investigações: a escalada de invasões nos últimos dois meses, principalmente na Bahia e em São Paulo.


“Precisamos investigar com todo o rigor quem está financiando o terror no campo”, destacou o deputado federal Tenente-Coronel Zucco (Republicanos-RS), autor do requerimento. “Buscaremos o diálogo com o presidente da Câmara para que possamos iniciar os trabalhos no menor espaço de tempo possível”, completou.


O presidente da FPA, o deputado Pedro Lupion (PP-PR), defendeu a necessidade de apurar os casos. “Tivemos um volume nas últimas três semanas que não víamos havia mais de 15 anos. Algo está fora do controle, alguém está financiando isso. Há uma motivação política muito clara por trás dessas ações criminosas”, destacou.


No requerimento, os parlamentares solicitam a formação de uma CPI com 27 titulares e suplentes, com 120 dias para apresentar o relatório.



[ad_2]

Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *