Cientistas criam cápsula eletrônica que pode substituir remédios convencionais no futuro – Notícias

[ad_1]


Pesquisadores da NYU (Universidade de Nova York) em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos, do Brigham and Women’s Hospital e do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts) desenvolveram uma cápsula eletrônica que pode ajudar no tratamento de doenças metabólicas e neuropsiquiátricas e gastrointestinais. 


O dispositivo demonstrou capacidade de modular os níveis de um hormônio que atua diretamente na sensação de fome. 


Chamada de FLASH, a cápsula é classificada como “um dispositivo eletrocêutico ingerível para a neuromodulação do eixo intestino-cérebro, a via de sinalização entre o trato gastrointestinal e o sistema nervoso central”.


Compartilhe esta notícia no Whatsapp

Compartilhe esta notícia no Telegram


As terapias eletrocêuticas têm sido descritas por muitos cientistas como o futuro dos medicamentos tradicionais. Estudos apontam uma variedade de usos para doenças que afetam o sistema nervoso e outros órgãos.


“Uma pílula ingerível que contém componentes eletrônicos em vez de produtos químicos ou drogas é muito promissora”, afirma em comunicado um dos autores do trabalho, o professor Khalil Ramadi, da Universidade de Nova York. 


Em um artigo intitulado “Cápsulas eletrocêuticas ingeríveis bioinspiradas, absorventes de fluidos para modulação hormonal reguladora da fome”, publicado nesta quarta-feira (26) na revista Science Robotics, a equipe de Ramadi detalha os resultados do estudo de desenvolvimento da tecnologia.


O desenho da cápsula FLASH foi inspirado no lagarto australiano, cuja pele é conhecida pelas microestruturas que coletam água por capilaridade.


Os padrões ranhurados e uma superfície hidrofílica (compatível com água) não deixam que haja interferência  fluído gástrico do estômago, obtendo um contato direto do eletrodo com o tecido da parede do órgão.


O dispositivo demonstrou condições de modular os níveis de um hormônio excretado no estômago, a grelina, que é responsável por aumentar os níveis de apetite.


A cápsula é alimentada por baterias ingeríveis que fornecem estimulação por 20 minutos. Elas são excretadas em até duas semanas após a ingestão, conforme testes realizados em animais de grande porte.


Os autores do trabalho consideram que ele possui uma vantagem em relação aos medicamentos hormonais habituais, já que estes têm uma baixa biodisponibilidade (porção ativa do fármaco que entra no organismo) – é por esta razão que a insulina, por exemplo, tem de ser injetada.


“Este desenvolvimento oferece muitos novos caminhos para pesquisas sobre as complexas interconexões entre o cérebro e o intestino e para promover o uso de eletrocêuticos como intervenção clínica”, disse James McRae, outro autor do trabalho. 


Ramadi classifica esse tipo de terapia como “a próxima fronteira da neuromodulação”. 


“O FLASH é um dos primeiros eletrocêuticos ingeríveis que pode regular circuitos neuro-hormonais precisos, evitando o desconforto que os pacientes podem sentir com tratamentos invasivos. Futuros sistemas eletrocêuticos ingeríveis podem ser projetados e personalizados para aplicações específicas além da estimulação gástrica aguda e de curto prazo”, afirma o cientista.


Alho auxilia no controle do colesterol e é associado a um menor risco de câncer colorretal


[ad_2]

Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *