Com inteligência artificial, cientistas identificam composto poderoso para combater bactéria resistente – Notícias



Pesquisadores do MIT (Instituto de Tecnologia de Massachusetts) e da Universidade McMaster usaram um algoritmo de inteligência artificial para identificar um novo antibiótico que pode matar o Acinetobacter baumannii, uma espécie de bactéria responsável por muitas infecções resistentes a medicamentos.


O micróbio é frequentemente encontrado em hospitais e foi uma das principais causas de infecções em soldados feridos no Iraque e no Afeganistão. 



“A Acinetobacter pode sobreviver em maçanetas e equipamentos hospitalares por longos períodos e absorver genes de resistência a antibióticos de seu ambiente. É muito comum encontrar isolados de A. baumannii resistentes a quase todos os antibióticos”, diz em comunicado o professor Jonathan Stokes, da Universidade McMaster, um dos autores do trabalho.


Os pesquisadores usaram um modelo de aprendizado de máquina para avaliar se um composto químico inibiria o crescimento da A. baumannii e identificaram um composto que foi originalmente explorado como um potencial medicamento para diabetes.


O composto, chamado abaucina, revelou-se extremamente eficaz em matar a A. baumannii, mas não teve efeito em outras espécies de bactérias e tem uma capacidade de matar de “espectro estreito”, que minimiza o risco de bactérias que rapidamente desenvolvem resistência à droga.


Outra vantagem é que o medicamento provavelmente pouparia as bactérias benéficas que vivem no intestino humano e ajudaria a suprimir infecções oportunistas, como a Clostridium difficile, que causa uma inflamação intestinal chamada colite pseudomembranosa.


“Esta descoberta apoia ainda mais a premissa de que a IA [inteligência artificial] pode acelerar e expandir significativamente nossa busca por novos antibióticos. […] Estou animado porque este trabalho mostra que podemos usar IA para ajudar a combater patógenos problemáticos, como A. baumannii“, comemorou outro autor do estudo, o professor James Collins, do MIT.


O achado ocorre no momento em que o mundo vê surgirem cada vez mais bactérias patogênicas para as quais os antibióticos existentes já não funcionam adequadamente.


Stokes, Collins e a professora do MIT Regina Barzilay começaram a estudar, há alguns anos, como enfrentar esse problema usando aprendizado de máquina, um tipo de inteligência artificial que pode aprender a reconhecer padrões em vastas quantidades de dados.


Em outro estudo, eles treinaram o computador para identificar estruturas químicas que pudessem inibir o crescimento da bactéria E. coli, responsável por problemas estomacais.


Eles partiram de uma base de mais de 100 milhões de compostos, e o algoritmo encontrou uma: a halicina, que não apenas matou a E. coli mas também outras espécies bacterianas resistentes.


Sete bactérias e fungos que provocam doenças fatais




Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *