Conheça sobre o ‘balão de espionagem chinês’


O conflito entre a China e os Estados Unidos fica cada dia mais parecido com a “Guerra Fria 2.0”. O último episódio que agitou o mundo foi o “balão de espionagem chinês”, derrubado em território americano. O Partido Comunista da China (PCC) afirmou que a máquina tinha o objetivo de produzir “estudos meteorológicos”.

O balão foi abatido por um caça F-22 da Força Aérea dos EUA na costa da Carolina do Sul, no último sábado, uma semana depois de entrar no espaço aéreo norte-americano. Apesar de ter sido descrito pela inteligência dos Estados Unidos como um objeto de espionagem, as autoridades chinesas afirmaram que “alguns políticos e a mídia usaram o incidente como pretexto para atacar e difamar a China”.

De acordo com o Departamento de Defesa dos EUA, conhecido como o Pentágono, o objeto voador foi abatido enquanto sobrevoava o mar e teve a maior parte de seus destroços coletados pelo navio de desembarque USS Carter Hall. Oficiais norte-americanos recolheram os restos do balão e afirmam que ele faz parte de um programa de vigilância dos militares chineses.

O balão espião chinês e sua trajetória

O Departamento de Estado dos EUA informou que o balão tinha diversas antenas em um arranjo que “provavelmente conseguia coletar e geo-localizar comunicações”. Os painéis solares da máquina eram grandes o suficiente para produzir energia para operar “vários sensores ativos de coleta de inteligência”.

Segundo o UOL, algumas características do balão foram relatadas:

  • É um equipamento que voa em altitudes elevadas;
  • Pode ser equipado com sensores de alta tecnologia capazes de captar transmissões de rádio, celular e outras que não podem ser captadas por satélites, por exemplo;
  • Opera de 24 km a 37 km de altitude, muito acima de rotas comerciais (no máximo 12 km de altitude);
  • Geralmente movido por correntes de vento;
  • Pode funcionar com energia solar;
  • Também pode ser guiado à distância;
  • Muito usado pelos EUA e pela União Soviética durante a Guerra Fria;
  • Considerado uma alternativa e em relação a satélites.

A máquina iniciou sua viagem controlada em território norte-americano em 28 de janeiro. O balão foi rastreado sobre Montana no início de fevereiro, logo depois de viajar pelas Ilhas Aleutas e pelo Canadá.

Possível rota do balão chinês e o provável alcance de seus sensores | Foto: Reprodução/Twitter/@TheIntelFrog

Leia também: “O jogo do gigante”, reportagem de Cristyan Costa publicada na Edição 58 da Revista Oeste





Source link