Dia Mundial do Rim: veja 7 sinais que indicam que você pode estar com problema renal – Notícias



O Dia Mundial do Rim é celebrado nesta quinta-feira (9) e carrega a mensagem sobre a importância de estar atento a doenças renais, especialmente no que diz respeito à prevenção, diagnóstico precoce e tratamento adequado.


Segundo a SBN (Sociedade Brasileira de Nefrologia), o enfoque deste ano é “cuidar dos vulneráveis e estar preparado para os desafios inesperados”. Pensando nisso, o R7 separou sete sintomas que são um sinal claro de doença renal crônica.


Porém, antes, é fundamental entender a relevância dos rins para o corpo humano.


De acordo com Milena Vasconcelos, médica nefrologista da BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo, esses órgãos desempenham funções fundamentais, como filtrar todo o sangue do corpo e eliminar toxinas do organismo.


“Eles atuam na manutenção dos eletrólitos do nosso corpo, como sódio, potássio cálcio, magnésio, fósforo, bicarbonato, etc. Fazem a manutenção da água, excretam algumas substâncias, como medicações, e liberam um hormônio chamado eritropoetina, que é responsável pela produção de células vermelhas no nosso corpo, como a hemoglobina”, explica Milena.


E acrescenta: “Eles também são responsáveis pela produção do calcitriol, que é a vitamina D ativa, responsável pela saúde óssea do nosso corpo. E, junto com o coração, eles desempenham um papel primordial no controle da nossa pressão arterial.”



A DRC (doença renal crônica) é a condição mais comum, afetando uma em cada dez pessoas no mundo, segundo dados da SBN. No entanto, ela é considerada uma doença extremamente silenciosa.


“Nas fases iniciais não há sintoma nenhum, é uma doença completamente silenciosa e progressiva. Você começa a ter sintomas quando o rim já perdeu 50% da sua funcionalidade”, alerta a nefrologista.


No Brasil, de acordo com a estimativa recente (2022) da SBN, o número de pacientes com DRC avançada é crescente e, atualmente, mais de 140 mil pacientes realizam diálise no país.


Há também outras condições comuns que acometem o rim, como cálculos (pedras) e glomerulonefrite.


Em qualquer um dos casos, há grupos específicos que não podem ignorar qualquer indício de problema renal, pois são mais propensos a desenvolvê-los. São eles:


• Hipertensos;


• Diabéticos;


• Pessoas com histórico familiar de doença renal crônica;


• Indivíduos diagnosticados com obesidade;


• Quem tenha histórico de doença do aparelho circulatório (doença coronariana, acidente vascular cerebral, doença vascular periférica, insuficiência cardíaca)


• Fumantes.



De forma geral, os 7 sintomas que ninguém, mas principalmente os grupos de risco, devem ignorar, porque podem indicar uma DCR, são:


• Urina espumosa (é tanto um sinal de uma doença renal crônica como de uma glomerulonefrite, conhecida como nefrites);


• Sangue na urina;


• Glicose alta;


– Pressão frequentemente acima de 140 mmHg por 90 mmHg (alta) – popularmente, 14 por 9;


• Alteração do nível de consciência (em razão da ureia elevada);


• Nível de triglicerídeos no sangue elevado;


• Anemia (acompanhada de fraqueza e cansaço).


Outros possíveis sinais são inchaço (principalmente nas pernas), câimbras e sonolência.


Prevenção


A melhor forma de prevenir a doença, segundo Milena, é manter alguns hábitos saudáveis, como ingerir, no mínimo, de 2 L a 3 L de água por dia, evitar anti-inflamatórios (é a medicação mais tóxica para o rim) e o tabagismo, além de reduzir o consumo de açúcar.


Pessoas com histórico familiar de doença renal crônica ou presentes no grupo de risco devem fazer o exame de creatinina (avalia a saúde renal) de forma mais precoce e anualmente. Já a população em geral, deve tornar o teste anual após os 40 anos.


“As duas maiores causas da doença renal são a pressão alta e diabetes, então a prevenção clássica é não ter hipertensão e diabetes. Se já tem, tem de ir ao nefrologista o quanto antes para minimizar esses efeitos, para não progredir para uma DCR”, finaliza Milena.


Veja sete dicas para pegar no sono rápido e dormir com qualidade




Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *