Engolir chiclete faz mal e pode ‘grudar’ os intestinos? – Notícias

[ad_1]


Quem nunca ouviu, durante a infância, que engolir o chiclete faria mal à saúde e poderia “grudar” os intestinos – em uma linguagem mais informal, “grudar as tripas”? A bronca ultrapassa gerações e, durante a repercussão de situações que envolvem o produto, ganha mais evidência.


O caso mais recente, relatado em junho deste ano, foi de um menino de cinco anos que deu entrada em um pronto-socorro em Ohio, nos Estados Unidos, após ter engolido 40 chicletes. O bolo de goma de mascar preenchia, aproximadamente, 25% do estômago da criança e foi removido com a ajuda de um esofagoscópio.



O R7 publicou o caso e, nos comentários, internautas resgataram os alertas da infância: “Minha avó sempre falava [que] se engolisse chicletes, grudava nas tripas, aí está a prova viva”, escreveu uma, no Facebook.


Outro usuário lembra que a “minha mãe sempre me dizia para não engolir chicletes”. Também houve aqueles que alegam ter costume de ingerir o produto: “Eu gosto de engolir chicletes também, mas não assim 40 de uma vez só”.


• Compartilhe esta notícia no Whatsapp

Compartilhe esta notícia no Telegram


Mas, afinal, engolir chiclete faz mal e é capaz de “grudar” os intestinos (delgado e grosso)? A resposta tem duas variações: sim, pode fazer mal dependendo da quantidade; e não, não irá “colar as tripas”. 


“Em geral, engolir chiclete de forma acidental ou em pequena quantidade não causa qualquer dano para o corpo, pelo menos na grande maioria dos casos”, afirma a gastroenterologista Karen Thalyne Pereira e Silva Domingos.


A baixa chance de ocorrer algo mais grave, quando ingerido moderadamente, dá-se porque o chiclete é formado, basicamente, por dois compostos. O primeiro feito com açúcar, corantes, aromatizantes e conservantes, para dar o sabor doce.


O segundo, é a goma-base, feita, por exemplo, com derivados do petróleo – é a massa sintética que a pessoa fica mascando.


“A primeira parte pode ser digerida, mas a segunda, não”, alerta Karen.


Portanto, a maior parte do produto (a goma) entra no organismo e sai intacta – não é digerida. Quando uma pequena quantidade de chiclete chega aos intestinos, não é capaz de prejudicar ou bloquear a região e segue para ser eliminada.


Porém, se essa massa fica com mais de 2 cm de diâmetro, “raramente será expelida do estômago e pode, sim, ‘entupir’ o órgão”, relata a especialista.



Os chicletes não grudam parte do trato digestivo, como disseminado no mito, já que viram “massas duras como pedras”. Mas exigem uma remoção cirúrgica em caso de obstrução do órgão.


Para saber se a goma de mascar se acumulou de forma prejudicial, Karen exemplifica que a pessoa fica com a sensação de saciada mesmo após uma refeição comum e pode apresentar náusea, vômitos e dor.


“Em algumas situações pode alterar o revestimento do trato gastrointestinal e causar sangramento digestivo, obstruir total ou parcialmente o estômago, o intestino delgado ou, raramente, o intestino grosso, podendo provocar cólicas abdominais, distensão, náusea e vômitos”, complementa.


Médicos retiram de um homem a maior pedra no rim do mundo, de 800 g e 13 cm


[ad_2]

Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *