Exagerou no chocolate e está com enxaqueca? Especialista explica por que isso ocorre – Notícias

[ad_1]




A troca de ovos de chocolate neste domingo de Páscoa é uma tradição em muitas famílias. O desejo do doce tem forte relação com a data, porém, há outra possível explicação para esse impulso: enxaqueca.


A enxaqueca, de acordo com a SBCe (Sociedade Brasileira de Cefaleia) e o Ministério da Saúde, é uma doença neurológica, genética e crônica. Não se trata apenas de uma dor de cabeça – ou cefaleia, como também é chamada.


Porém, esse sintoma, possivelmente, é o que mais incomoda os que são diagnosticados com a síndrome.


“O cérebro da pessoa que tem enxaqueca é mais sensível. Então, ele não tolera, vamos dizer assim, grandes alterações no organismo. Isso pode funcionar como fator que poderia desencadear uma crise. Mas, não é culpa da pessoa ter dor, o cérebro dela que permite que esses fatores ajam nesse local e produzam a crise dolorosa”, explica o médico Marcelo Ciciarelli, coordenador do Departamento Científico de Cefaleia da ABN (Academia Brasileira de Neurologia).


Além dessa sensibilidade, o desejo de chocolate pode ser um dos sintomas da primeira fase da enxaqueca, conhecida como pródromo ou premonitória.


“O fato de a pessoa ter comido uma barra de chocolate foi desencadeado já pelo pródromo da própria crise de enxaqueca. Ou seja, quando ela comeu o chocolate, ela já estava em crise, aquilo já era um desejo alimentar causado pela crise”, relata Ciciarelli.


Essa primeira fase também pode apresentar outros sinais, como cansaço, dificuldade de concentração e irritabilidade. Além do mais, eles podem ocorrer até 72 horas antes da dor de cabeça propriamente dita.





A segunda fase é a aura, que surge de maneira gradual e acontece antes ou juntamente à cefaleia. Ela dura em torno de 5 a 60 minutos. É marcada pela aura visual (pontos brilhantes na visão, por exemplo), sensitiva (formigamento ou dormência em alguma parte do corpo) e a de linguagem (dificuldade de pronúncia ou afasia de expressão).


Logo depois desse estágio ocorre a conhecida dor latejante de cabeça que, geralmente, acomete apenas um lado. Ela pode durar de 4 horas a 72 horas e desencadear náusea, tontura e sensibilidade à luz e aos sons.


A última fase é chamada de “ressaca” e é quando a pessoa retorna aos sintomas do início da crise, mas que podem vir acompanhados de uma cefaleia mais leve.


Conhecer os sinais e investigar o histórico familiar é essencial no que se diz respeito à enxaqueca, pois o chocolate pode agir como um fator desencadeador nesses grupos.


“[O alimento] poderia funcionar como um gatilho em algumas situações em pessoas predispostas, mas a causa é uma doença hereditária que leva ao distúrbio neurológico primário. Quer dizer, é um problema cerebral, não um problema causado pelo chocolate”, alerta o especialista.


Há possibilidade de o indivíduo ser sensível a algumas substâncias presentes no chocolate, como feniletilamina, mas isso depende de pessoa para pessoa e não pode ser considerado um motivo universal para que alguém tenha uma crise. 


Porém, tendo em vista que a dor de cabeça, segundo Ciciarelli, “não é uma coisa normal”, em qualquer caso que ela surja, precisa ser investigada.



Quem tem enxaqueca não pode comer chocolate?



Levando em conta que o chocolate pode agir dessas diversas maneiras em pessoas que já têm enxaqueca diagnosticada ou contam com um histórico familiar da doença, fica a dúvida: essa parcela da população pode ou não comer chocolate neste domingo?


A resposta é simples: pode.


“Quem tem enxaqueca não precisa deixar de comer chocolate na Páscoa, mas comer de forma equilibrada. Sem exageros”, orienta Ciciarelli.


Em conjunto a esse consumo consciente, a pessoa deve se manter bem hidratada – quando o açúcar passa para a corrente sanguínea as células perdem água. Além desse hábito, manter atividade física regular, sono de qualidade e dieta saudável são pontos fundamentais em todos os dias do ano.


Especialmente no âmbito da alimentação, o recomendado é comer algo a cada três horas. Um pedaço de chocolate, por exemplo, pode estar no cardápio.


Isso porque, como dito anteriormente, o chocolate não desencadeia a enxaqueca, ele é um sintoma dela e uma consequência de um cérebro mais sensível.


Um estudo publicado na revista científica Nutrients, em 2020, mostrou que as pesquisas que procuraram confirmar que o chocolate levava às crises de enxaqueca falharam.


Aliás, eles esclarecem que os mecanismos pelos quais o chocolate pode influenciar a enxaqueca são mais benéficos do que danosos, isso porque ele tem, por exemplo, magnésio e riboflavina, que ajudam no controle da dor. Ele também aumenta a serotonina (um importante neurotransmissor), que pode ser benéfica contra a cefaleia.


*Estagiária do R7, sob supervisão de Fernando Mellis


Melatonina: suplemento pode ser pouco útil para quem tem insônia; entenda




[ad_2]

Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *