França vai retirar militares do Níger


Neste domingo, 24, o presidente Emmanuel Macron anunciou o retorno a Paris do embaixador francês em Niamei e a retirada de toda tropa de militares do Níger.

A saída tem início imediato e deve perdurar até o fim do ano.

A declaração foi feita durante uma entrevista ao jornal televisivo 20 horas, da France 2 e do TF1. Na ocasião, Macron afirmou: “Nós demos fim à nossa cooperação militar com o Níger”.

militares frança níger
Macron fez o anúncio durante entrevista ao jornal televiso 20h, da France 2 e do TF1 | Foto: Reprodução/Youtube

As tropas francesas estavam presentes no Níger para impedir a tomada do poder por jihadistas. No entanto, em 26 de julho, uma junta militar deu um golpe de Estado e assumiu o controle do país.

A França não reconheceu o novo governante e continua considerando o presidente deposto Mohamed Bazoum a única autoridade legítima.

Desde que foi demovido, Bazoum está detido com a mulher e o filho na residência presidencial.

Saiba também: “Evo Morales anuncia candidatura ao governo da Bolívia”

Golpe no Níger

Em julho, o coronel Amadou Abdramane e outros nove oficiais do Exército anunciaram a destituição do presidente Mohamed Bazoum em uma transmissão ao vivo no canal estatal.

A junta dissolveu a Constituição, suspendeu o funcionamento das instituições e fechou as fronteiras do país. Também estabeleceu um toque de recolher obrigatório das 22h às 5h.

Fique por dentro: “Brasileiros criam técnica mais barata e rápida para detectar câncer infantil”

Poucos dias depois, o general Abdourahmane Tiani foi empossado como novo chefe de Estado.

Ele recebeu o cargo de presidente do Conselho Nacional de Salvaguarda da Pátria.

Expulsão da França

Em agosto, os generais denunciaram o fato de que os soldados franceses estavam ilegalmente no Níger para lutar contra os jihadistas.

A declaração provocou manifestações públicas regulares demandando a sua saída.

Esteja atualizado: “China firma acordo para incentivar o ensino do mandarim na Nicarágua”

Semanas depois, o regime retirou a imunidade diplomática e o visto do embaixador francês em Niamei, Sylvain Itté, e ordenou que deixasse o país.

O embaixador e sua equipe estão trancados no complexo francês, correndo o risco de ficar sem alimentos e sem água.

Leia também: “Novo ciclone extratropical deve causar mais tempestades no Rio Grande do Sul”

Generais celebram retirada dos militares franceses

Após o anúncio de Macron, o regime nigeriano emitiu um comunicado comemorando a notícia:

“Este domingo celebramos o novo passo rumo à soberania do Níger”. Para os dirigentes, “este é um momento histórico que testemunha a determinação e a vontade do povo nigerino”.

Saiba mais: “Barroso assume presidência do STF na quinta-feira”

Há dez anos a França realiza operações militares no Sahel. Depois de ser expulsa por juntas hostis no Mali e em Burkina Fasso, o Níger era um dos últimos aliados do país europeu na região.

De acordo com Macron, sem a presença militar francesa, a “maioria desses países já teria sido tomada por califados territoriais e jihadistas”.

Agora, só restou à França o Chade, onde mantém mil soldados.

Matenha-se informado: “Escolas da Rússia fazem crianças marchar e usar granadas em lugar de brinquedos”



Source link