G20 discute proposta do governo Lula para taxação global de ricos

[ad_1]

O governo brasileiro, por meio do Ministério da Fazenda, começa a discutir nesta quinta-feira (29) na Trilha de Finanças do G20 uma proposta de taxação global sobre “super-ricos” apresentada na quarta-feira (28) pelo titular da pasta, Fernando Haddad. O evento reúne nesta semana ministros e presidentes de bancos centrais das 20 maiores economias do planeta na cidade de São Paulo.

“A proposta que a gente vem trabalhando no Brasil, que é acabar com privilégios e corrigir algumas distorções na legislação, nós estamos levando para o âmbito global”, explicou o secretário-executivo da Fazenda, Dario Durigan, na saída do encontro na quarta.

Segundo ele, a ideia levada ao fórum internacional seria complementar ao debate sobre tributação global que ocorre no âmbito da Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE).

A entidade trabalha em duas possibilidades nesse contexto: a distribuição de direitos de tributação sobre lucros de multinacionais entre os países e uma taxação mínima global para grandes empresas, como big techs.

“A gente sabe que a OCDE toca dois pilares de discussão
sobre tributação global: um que envolve empresas de big tech e outro que envolve
corporações, empresas. É possível pensar em um terceiro pilar, com uma governança
complexa – que vai exigir quem vai liberar isso, em que momento, com o tempo –,
que olhe para a renda, para o ganho de capital, para a herança”, explicou.

Ainda de acordo com o secretário, a sugestão levada à
reunião não inclui um porcentual a ser cobrado. “Não tem ainda uma proposta de alíquota efetiva. A dinâmica dos fóruns
internacionais demanda um tempo maior, então é preciso galvanizar um apoio na
ideia, no conceito, e a partir daí fazer estudos de impacto para ver o que é
possível ser aceito politicamente pelos vários países”, explicou.

A arrecadação, segundo Durigan, serviria para ações de caráter global. “O mundo vai viver essa necessidade. Viveu na pandemia, pode viver outras. A gente tem visto que as mudanças climáticas vão nos impor mecanismos de reação, de resposta, e o mundo precisa se coordenar. Um dos mecanismos que nasce de um consenso: o mundo vai precisar se financiar de mais formas, de variadas formas”, afirmou.

Para ele, é esperada reação contrária por parte de alguns
representantes. Em tratativas bilaterais organizadas até agora à parte do fórum
ampliado, no entanto, já haveria adesão de um grupo de economias, como a de “países
europeus”.

“O G20 é um fórum complexo, a gente tem diversas perspectivas, países com diversos interesses. A gente sabe disso, mas gente não pode se furtar de propor um instrumento.”

Em conversa com jornalistas, o ministro francês Bruno Le
Maire defendeu a proposta de taxação global de “super-ricos” como uma forma de
se evitar a evasão fiscal.

“Estamos totalmente comprometidos em acelerar o processo
para implementar a nível internacional no nível da OCDE, no nível do G20, e
espero que também tenhamos todos os países europeus, uma tributação mínima
sobre indivíduos para combater qualquer tipo de otimização fiscal ao redor do
mundo”, disse.

Em entrevista ao jornal “Folha de S.Paulo”, o ministro de Finanças da Noruega, Trygve Veduym, elogiou a proposta brasileira. “Para nós, como um país que tem um imposto sobre a riqueza, claro que apoiamos o objetivo político do seu governo”, disse.

Ele lembrou que ao se implantar a taxação sobre grandes fortunas, houve fuga de capital do país. “Na Noruega, alguns bilionários foram embora. Muitas pessoas foram para a Suíça, é verdade. Essa é a principal razão também para trabalhar por essa tributação global”, argumentou. “Com uma taxação global, seria menos atrativo se mudar por causa do imposto da riqueza.”

[ad_2]

Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *