Governo tenta nova aproximação com o agro após falas de Lula e veto ao marco temporal



O governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) prepara novos acenos ao setor do agronegócio após ter tido um primeiro ano marcado por falas polêmicas contra empresários e vetado assuntos sensíveis e caros a eles, como o marco temporal de demarcação das terras indígenas. Embora o Plano Safra de 2023 tenha sido um dos maiores da história, a relação com o setor ainda carece de uma relação melhor.

O
ministro Carlos Fávaro, da Agricultura, diz que o governo está atento aos
problemas vividos pelos produtores brasileiros, principalmente com relação às
questões climáticas que provocaram perdas nas lavouras seja por chuva ou por
seca demais. E este, diz, será um ponto de atenção a ser trabalhado neste ano,
embora negue que haja uma crise no setor.

“Nós temos um momento difícil, um momento em que tivemos mudanças climáticas, intempéries climáticas e preços dos commodities achatados, mas é longe de crise. O setor, ao contrário, teve três ou quatro anos muito bons, que permitiu inclusive formar uma gordura. E agora temos um momento difícil, de atenção”, disse Fávaro em entrevista à Folha de São Paulo publicada nesta segunda (5).

Segundo o ministro, o governo está ciente de que a relação com os produtores não foi das melhores no ano passado – “iniciamos o governo com um ambiente muito hostil por parte do agro” – creditando ao pós-eleições, mas que “quem compreendeu encontrou um ambiente muito favorável”, analisa. Para ele, Lula conseguiu levar o agro ao mundo ao restabelecer relações diplomáticas e abrir 87 novos mercados.

Fávaro
afirmou ainda que a questão das mudanças climáticas está no radar do governo,
tanto que propôs a meta de zerar o desmatamento ilegal, mas que também terá de
rever os valores colocados para acesso dos produtores. Entre eles o seguro
rural, que está na faixa de R$ 1 bilhão ao ano.

“É
necessária, durante a mudança climática, a ampliação, porque a produção está
custando mais e as apólices também, diante das questões climáticas”, afirmou
propondo uma modernização do sistema de seguro rural, incorporando algoritmos e
inteligência artificial para oferecer apólices mais acessíveis e abranger um
maior número de produtores.

O
ministro afirmou, ainda, que o governo está pleiteando junto ao Banco Nacional
de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) mais recursos em dólar e a
prorrogação de dívidas, dependendo da avaliação do Ministério da Fazenda.
Destacou a importância de um governo “parceiro e preventivo”, antecipando-se
aos possíveis impactos econômicos para garantir medidas eficazes.

Ainda de acordo com ele, com a dificuldade de se fechar o acordo comercial entre o Mercosul e a União Europeia – que está ficando cada vez mais longe à medida em que produtores europeus aumentam os protestos por ajuda dos governos locais, o Brasil deve buscar mais mercados pelo mundo, como parcerias com os países do Brics, Oriente Médio, Ásia e África.



Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *