Haddad antecipa para março apresentação da nova regra fiscal



Apuração em andamento

Este conteúdo é sobre um fato que ainda está sendo apurado pela redação. Logo teremos mais informações.

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, antecipou para março a apresentação do novo arcabouço fiscal, que substituirá o teto de gastos. Até então, o ministro programava o anúncio das novas regras para abril.

Segundo ele, a sugestão de adiantar a apresentação veio dos ministros do Planejamento, Simone Tebet, e Desenvolvimento, Geraldo Alckmin. O objetivo é abrir um tempo para discussão do projeto antes do envio da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), que tem de ser encaminhada ao Congresso até 15 de abril.

O prazo legal para apresentação do novo arcabouço fiscal é 31 de agosto, conforme determinou a emenda constitucional derivada da PEC da Transição, também conhecida como PEC fura-teto.

“Em março, provavelmente, vamos anunciar o que nós entendemos que seja a regra fiscal adequada para o país. O Congresso estabeleceu agosto. Nós já tínhamos puxado para abril por causa da LDO. Mas a Simone ponderou, e com razão, e o próprio Geraldo Alckmin também, que, para mandar para o Congresso em abril junto com a LDO, era bom a gente ter um período de discussão”, disse Haddad nesta quarta-feira (15), em evento do banco BTG.

“Eu não tenho a pretensão de ser o dono da verdade. Estamos estudando faz dois meses regras fiscais do mundo inteiro, documentos de todos os organismos internacionais. Nenhum país adota teto de gastos”, complementou o ministro.

Segundo ele, a nova regra não será “leniente”. “Tem que ser rigoroso, tem que ser demandante, tem que ser exigente. Mas um ser humano tem que conseguir fazer aquilo. Quando você começa a projetar cenários irrealistas, vai perdendo credibilidade, perdendo interlocução, as pessoas não vão mais acreditar em você”, disse.

Para Haddad, Banco Central não pode “se deixar levar por ruído”

Haddad disse acreditar que o cenário das contas públicas está melhor hoje do que há um mês, “embora expectativas estejam muito contaminadas por esse ruído todo”. Sem fazer referência direta aos ataques do presidente Lula às metas de inflação, à política de juros e à autonomia do Banco Central, que vêm elevando as expectativas de juro e inflação, o ministro disse lamentar o ruído, mas sugeriu que o BC dê atenção apenas aos fundamentos.

“Eu lamento se a autoridade monetária se deixar levar por ruído. Não é esse o papel. Você tem que ir para o fundamento, tem que ver o que tá acontecendo de real, não pode tomar decisão com base numa fantasia momentânea, de um estresse, que pode acontecer”, disse.

Segundo Haddad, que criticou o patamar da taxa de juros em mais de um momento no evento do BTG, Fazenda e Banco Central conversam “todo dia” e a comunicação “nunca deixou de existir, nem deixará”.

“É ruído, a gente tem que compreender que o nervosismo toma conta, tem muita coisa envolvida, tem muitos recursos envolvidos, mas sinceramente eu não vejo motivo neste momento para se preocupar com isso. Vamos nos preocupar com os problemas reais que nós temos, e podemos equacioná-los se soubermos construir um caminho”, concluiu.



Source link