Indígenas têm menos acesso à vacinação contra Covid-19, diz pesquisa – Notícias



Apenas 48,7% da população indígena com mais de 5 anos de idade que vive em municípios com Dsei (distritos sanitários especiais indígenas) tinha recebido o esquema primário de vacinação contra a Covid-19 até 1º de março do ano passado, revela estudo conduzido por diversas instituições e disponibilizado na internet em formato preprint.


Conclusões de trabalhos divulgados nesse formato são consideradas preliminares porque ainda não foram revisadas por cientistas não envolvidos na pesquisa.


O total de indígenas imunizados com duas doses ou dose única das vacinas contra Covid-19 era quase 30 pontos percentuais mais baixo que o da população não indígena, que chegava a 74,8%.


O estudo foi conduzido por pesquisadores do Centro de Integração de Dados em Conhecimentos para Saúde (Cidacs/Fiocruz Bahia) em parceria com a London School of Hygiene and Tropical Medicine, a UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), a USP (Universidade São Paulo), a Universitat Pompeu Fabra (Barcelona), a UFBA (Universidade Federal da Bahia) e a Uerj (Universidade do Estado do Rio de Janeiro).


Para o cálculo do percentual de cobertura vacinal, a população indígena nos Dsei foi estimada em cerca de 600 mil pessoas, das quais 389 mil receberam apenas uma dose (65%) e 291 mil foram consideradas com imunização básica completa.


O esquema básico ou primário de vacinação não inclui nenhuma das doses de reforço, consideradas essenciais para manter uma imunidade duradoura contra a Covid-19.



O artigo pondera que a cobertura vacinal calculada, porém, pode estar superestimada, inclusive porque o próprio governo calcula uma população indígena cerca de 10% maior nesses distritos (657 mil pessoas).


Além disso, os pesquisadores lembram que há pessoas indígenas que vivem fora dos Dsei, o que impede generalizações dos resultados para toda a população indígena do Brasil.


“Baixas coberturas vacinais em muitas comunidades indígenas compostas de apenas algumas centenas de pessoas podem também ameaçar sua continuidade cultural, uma vez que a Covid-19 afeta mais as pessoas mais idosas, e elas são as principais responsáveis pela transmissão cultural entre gerações”, alerta o estudo.


Uma das responsáveis pela pesquisa, Julia Pescarini, do Cidacs/Fiocruz, lembra ainda que a população indígena é mais jovem que a população brasileira em geral, com menor percentual de idosos.


“O adulto tem mais locomoção e maior possibilidade de caminhar até uma cidade mais distante e se vacinar. Agora, uma pessoa com mais de 60 anos tem muito mais dificuldade de chegar às cidades e se vacinar. Isso explica também por que a vacinação é menor”, disse Julia.


A pesquisadora chama atenção ainda para a cobertura vacinal das crianças de 5 a 9 anos. Em 1º de março de 2022, somente 2,6% da população indígena dos Dsei nessa faixa etária havia recebido a primeira dose, enquanto a média no Brasil era de 40,7%.


Os pesquisadores avaliaram também a efetividade das vacinas na população indígena. Para tanto, foi acompanhado um grupo de indígenas com mais de 5 anos vacinados entre 18 de janeiro de 2021 e 1º de março de 2022 e calculada a taxa de proteção contra casos sintomáticos, mortalidade e hospitalização.


Uma preocupação dos pesquisadores era a possibilidade de deficiências nutricionais prejudicarem a resposta imunológica dos indígenas à vacinação, mas os dados mostraram um desempenho das vacinas similar ao observado na população não indígena.


Julia sustenta que o monitoramento tem que ser contínuo. “Este era um alerta em março, mas é ideal que o monitoramento seja feito de forma constante para ver em quais populações é preciso fortalecer o sistema de vacinação”, disse a pesquisadora.


“O que se vê de forma geral com a Covid-19 é que existe uma iniquidade por raça, posição socioeconômica, e com a população indígena não é diferente. A população indígena, a população negra, a população das favelas têm mais dificuldades, mesmo em centros urbanos, de acessar a vacinação”, disse a pesquisadora.


Veja 5 dicas para evitar doenças infecciosas após usar banheiro químico no Carnaval




Source link