Líder histórica das Mães da Praça de Maio morre aos 93 anos – Notícias













Hebe de Bonafini, a histórica presidente da associação argentina Mães da Praça de Maio, criada durante a ditadura (1976-1983) para descobrir o paradeiro de filhos e de outras pessoas presas pelo regime militar, faleceu neste domingo (20) aos 93 anos, confirmou a vice-presidente Cristina Fernández de Kirchner.


“Queridíssima Hebe, Mãe da Praça de Maio, símbolo mundial da luta pelos Direitos Humanos, orgulho da Argentina. Deus te chamou no dia da Soberania Nacional… Não deve ser coincidência. Simplesmente obrigado e até sempre”, escreveu Cristina Kirchner.


Pouco depois, Alejandra Bonafini, filha da ativista, informou em um comunicado que a mãe havia falecido às 9h20 no Hospital Italiano da cidade de La Plata, na província de Buenos Aires, onde estava internada há alguns dias.


“São momentos muito difíceis e de profunda tristeza e compreendemos o amor do povo por Hebe, mas neste momento temos a necessidade de chorar […] na intimidade”, afirmou Bonafini, antes de afirmar que, a partir de segunda-feira (21), serão anunciados os locais para homenagens e atos de recordação.













O presidente Alberto Fernández também se despediu com “profunda dor e respeito da lutadora incansável pelos direitos humanos”, em um comunicado, no qual anunciou o decreto de três dias de luto nacional.


“O governo e o povo argentino reconhecem nela um símbolo internacional da busca pela memória, verdade e justiça pelos trinta mil desaparecidos”, prosseguiu o texto da Presidência. “Como fundadora das Mães da Praça de Maio, ela jogou luz na noite escura da ditadura militar e abriu caminho para a recuperação da democracia há quarenta anos”, acrescentou a nota.


A organização que ela presidiu informou em nota que “suas cinzas repousarão na Praça de Maio” e que mais detalhes serão divulgados nos próximos dias.







Perfil controverso







Com dois filhos e uma nora desaparecidos durante a ditadura, Bonafini foi uma das fundadoras do famoso grupo de mães que, em 1977, começou a se reunir na Praça de Maio, diante da sede de governo em Buenos Aires, para exigir informações sobre o paradeiro dos filhos.


Com o passar dos meses, elas começaram a se identificar com um lenço branco na cabeça, que rapidamente virou um símbolo da organização. A luta continuou na democracia, com manifestações e atos que seguiram exigindo verdade e justiça.













Hebe de Bonafini, no entanto, estabeleceu um perfil polêmico ao se tornar uma militante aguerrida do ‘kirchnerismo’ e ferrenha defensora do casal Néstor (2003-2007) e Cristina (2007-2015).


Em 2017, ela foi processada por suposto desvio de recursos públicos em um projeto de construção de moradias sociais entre 2005 e 2011. A ativista considerou a ação uma “manobra” contra o próprio trabalho por parte do governo de centro-direita de Mauricio Macri (2015-2019), que ela considerava um “inimigo”. O processo judicial se encontra paralisado.














Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *