Ministros criticam falta de regulamentação das redes depois de morte de jovem: ‘Aposta no caos’ – Notícias



O ministro dos Direitos Humanos e Cidadania, Silvio Almeida, fez um apelo, neste domingo (24), em prol da regulação das redes sociais no Brasil. O pedido ocorre depois da morte de Jéssica Vitória Dias Canedo, de 22 anos, vítima de uma notícia falsa que ligava o nome dela ao do comediante Whindersson Nunes. A ministra das Mulheres, Cida Gonçalves, também cobrou providências.



Para Almeida, “a regulação das redes sociais torna-se um imperativo civilizatório, sem o qual não há falar-se em democracia ou mesmo em dignidade. O resto é aposta no caos, na morte e na monetização do sofrimento”.


Segundo o ministro, “tragédias como esta envolvem questões de saúde mental, sem dúvida, mas também, e talvez em maior proporção, questões de natureza política. A irresponsabilidade das empresas que regem as redes sociais diante de conteúdos que outros irresponsáveis e mesmo criminosos (alguns envolvidos na política institucional) nela propagam tem destruído famílias e impossibilitado uma vida social minimamente saudável”.



• Clique aqui e receba as notícias do R7 no seu WhatsApp

• Compartilhe esta notícia pelo WhatsApp

• Compartilhe esta notícia pelo Telegram

• Assine a newsletter R7 em Ponto


De acordo com Cida Gonçalves, a morte de Jéssica “é mais uma tragédia fruto da irresponsabilidade de perfis nas redes sociais que lucram com a misoginia e disseminação de mentiras e, igualmente, da falta de responsabilização das plataformas”.


“O governo do presidente Lula tem dado prioridade ao combate às fake news e à misoginia. É preciso que haja justiça urgente para a trágica morte de Jéssica e que possamos construir também a curto prazo um ambiente saudável e de respeito para as mulheres na internet”, defendeu.



Mais cedo, o deputado federal Orlando Silva (PCdoB-SP), relator do projeto de lei que regulamenta as plataformas digitais — conhecido como PL das Fake News —, defendeu a aprovação da proposta pelo Congresso Nacional ao comentar o episódio.


Também em uma rede social o deputado afirmou que o debate sobre a regulação das chamadas big techs, grandes empresas de tecnologia, que pode alterar o cenário atual em relação ao tema, é um dever “moral”. Apesar da falta de acordo para realizar a votação, o texto tramita em regime de urgência na Câmara dos Deputados.


“É preciso enfrentar esse estado de coisas, que remunera perfis e plataformas por mentiras que causam danos. As responsabilidades precisam ser apuradas e os autores, identificados e punidos. Não é um debate de esquerda ou de direita, é da civilização!”, escreveu o parlamentar.










Prioridade no ano que vem









Membros da base do governo na Câmara dos Deputados dizem que vão priorizar para o início do ano que vem a votação do projeto. O objetivo é garantir a aprovação antes das eleições municipais, especialmente para coibir a disseminação de informações falsas durante as campanhas.


“Se formos para um processo eleitoral sem mexer nisso [PL das Fake News], sem regulamentar isso, acontecerá a mesma coisa que nas eleições passadas. Temos que unificar a Casa para votar a matéria”, afirmou o líder do governo na Câmara, deputado José Guimarães (PT-CE), na quinta-feira (21).


Regulamentação


Aprovado pelo Senado em 2020, o PL das Fake News prevê regras de uso, gestão e punições no caso de divulgação de informações falsas.


O projeto estabelece prisão de um a três anos e multa a quem promover ou financiar a disseminação em massa de mensagens que contenham “fato que se sabe inverídico” e que possa comprometer a “higidez” do processo eleitoral ou causar dano à integridade física de agentes públicos. Além disso, as plataformas terão de publicar regularmente relatórios semestrais de transparência, com informações sobre a moderação de conteúdo falso.



Na proposta, há ainda um capítulo específico sobre segurança infantil. O texto obriga as plataformas a estabelecer níveis de proteção de dados e impedir o acesso a determinados serviços, além de proibir o uso dos dados desse público para a criação de conteúdos personalizados.


Outro trecho do PL aprovado prevê a remuneração do conteúdo jornalístico profissional replicado pelas plataformas digitais, como já ocorre na Austrália.


Entenda o caso da jovem


Jéssica, que sofria de depressão, teve supostas conversas com o humorista Whindersson Nunes divulgadas na internet. Ela morreu na sexta-feira (22), em Araguari (MG), a 567 km da capital mineira, Belo Horizonte.


Inês Oliveira, mãe dela, disse em uma publicação nas redes sociais que a filha recebeu ataques online. “É com muito pesar que informamos que, nesta manhã do dia 22/12, a Jéssica não resistiu à depressão e a tanto ódio e veio a óbito.” A Polícia Civil de Minas Gerais informou que investiga as circunstâncias da morte.


Ao R7, amigos próximos à família culparam páginas de fofoca, incluindo o perfil Choquei, por contribuir com a morte da jovem. A página, acusada por internautas de espalhar a notícia falsa, se manifestou via comunicado nas redes sociais neste sábado (23), mas se isentou de responsabilidades.


“Em relação aos eventos que circulam nas redes sociais e foram associados a um trágico evento envolvendo a jovem Jéssica Vitória Canedo, queremos ressaltar que todas as publicações foram feitas com base em dados disponíveis no momento e em estrito cumprimento das atividades habituais decorrentes do exercício do direito à informação”, diz trecho do comunicado.


Três dias antes da morte, Inês gravou um vídeo, em que chora e diz que a filha sofria de depressão e havia sido vítima de uma mentira.


“Estou aqui, em primeiro lugar, como uma mãe que está passando por uma situação difícil com a sua filha. Publicaram uma mentira. A minha filha sofre de uma depressão muito séria, muito profunda, muito grave. Então, como mãe, pedindo, pelo amor de Deus, parem de postar isso”, disse ela, aos prantos.





Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *