Moro depõe em processo que poderá cassar seu mandato 


O senador Sérgio Moro (União Brasil) irá prestar depoimento ao Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR) em um processo que irá decidir sobre a cassação do seu mandato. 

A audiência está marcada para segunda-feira 16, às 13 horas, e será realizada por videoconferência. Correm contra o senador e os seus suplentes duas ações que poderão mudar o rumo da sua carreira política. 

Leia mais: “Há uma tentativa de reescrever a história”

Sérgio Moro, Luis Felipe Cunha e Ricardo Augusto Guerra respondem às acusações de abuso de poder econômico e político. Também consta entre eles a incriminação pelo uso indevido de meio de comunicação social durante as eleições de 2022. 

Uma das ações está sendo movida pelo Partido Liberal (PL), do ex-presidente Jair Bolsonaro. A outra foi proposta pela Federação Brasil da Esperança, que reúne o Partido dos Trabalhadores (PT), o Partido Comunista do Brasil (PC do B) e o Partido Verde (PV).

Presidido pela deputada federal Gleisi Hoffmann (PT), o Fe Brasil ajudou a eleger o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Moro, quando juiz em Curitiba, condenou o político petista à prisão por crimes de corrupção. As investigações ocorreram na órbita da Operação Lava Jato.

Confira: “A vingança contra a Lava Jato: agora só falta cassar (ou prender) Moro”

Testemunhas

Moro processo cassar mandato 
Deltan Dallagnol será testemunha de Moro | Foto: Zeca Ribeiro/Câmara

No mês de junho, o TRE optou por reunir as duas ações no mesmo processo. Relator do caso, o desembargador Dartagnan Serpa Sá explica que a participação na audiência on-line é opcional.

“Não há impedimento aos investigados de prestarem depoimento pessoal quando a isso se dispuserem”, ressaltou.

No dia 27 de outubro, testemunhas favoráveis ao ex-juiz serão chamadas para prestar depoimentos à justiça. Entre elas estão o ex-deputado federal Deltan Dallagnol (Novo-PR) e o diretor do Paraná Pesquisas, Murilo Hidalgo.

O mandato de Sérgio Moro no Senado Federal é válido até 2031. Contudo, caso seja condenado pela Justiça Eleitoral, ele ainda poderá recorrer da decisão junto ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). 



Source link