quais as causas e como é feito o tratamento?


Saúde

Por Redação Minuto SaudávelPublicado em: 03/10/2023Última atualização: 03/10/2023

Por Redação Minuto Saudável

Publicado em: 03/10/2023Última atualização: 03/10/2023

Ilustração de um mulher de cabelo preto cheirando vinho.Anosmia e hiposmia são terminologias associadas à diminuição ou perda da capacidade olfativa, cada uma descrevendo distintos graus e características dessa condição.

Durante a pandemia de Covid-19, um dos sintomas mais comuns de observar é a perda abrupta e total, ou parcial, do olfato. E isso acabou sendo um indicador altamente preditivo para o diagnóstico da doença. 

Cerca de 85% das pessoas infectadas pelo SARS-CoV-2 experimentam algum tipo de alteração na percepção dos odores ou no paladar. A privação desses sentidos sensoriais, tão intrinsecamente ligados à nossa experiência cotidiana, pode ter impactos significativos na qualidade de vida.

A capacidade de sentir cheiros e sabores é fundamental não apenas para identificar e desfrutar de alimentos, mas também para apreciar as experiências diárias. Os aromas estão intrinsecamente ligados a memórias, prazeres e motivações.

Além disso, a função olfativa desempenha um papel crucial na segurança e na nossa capacidade de perceber e reagir a diversos estímulos no ambiente ao nosso redor. Atuando como um alerta precoce, permitindo-nos detectar odores que podem indicar situações de risco, como a presença de fumaça, vazamentos de gás ou alimentos estragados. 

Esse aspecto reforça a importância da preservação e cuidado com a função olfativa não apenas para o bem-estar individual, mas também para a segurança e a qualidade de vida em geral.

A Classificação Internacional de Doenças (CID-10) foi desenvolvida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) com o objetivo de estabelecer padrões e categorizar doenças e problemas de saúde. 

Os códigos CID-10 relacionados a distúrbios do olfato e do paladar são classificados sob R43, que abrange uma variedade de condições nesta categoria. Especificamente, o código R430 é designado para casos de anosmia, que é a perda completa da capacidade de sentir odores.

O nome de quando ocorre a ausência total da sensação olfativa é a anosmia, enquanto a hiposmia representa uma diminuição na intensidade ou clareza da percepção dos cheiros.

As condições podem ter diversas causas, como exposição a substâncias químicas, infecções respiratórias, traumas na região da cabeça, e até outras condições médicas relacionadas, como distúrbios neurológicos.

O diagnóstico geralmente é feito por um médico otorrinolaringologista, com a avaliação clínica envolvendo uma investigação da história médica, exames físicos e, em alguns casos, testes de função olfativa. 

Continue o texto para entender melhor as diferenças e causas da anosmia e hiposmia!

Índice:

  1. Quais são as diferenças entre anosmia e hiposmia?
  2. Quais as causas?
  3. Diagnóstico
  4. Anosmia e hiposmia têm tratamento?
  5. Prevenções

Quais são as diferenças entre anosmia e hiposmia?

Anosmia e hiposmia são termos relacionados à perda do sentido do olfato, cada um descrevendo diferentes graus e características dessa condição. 

Ambas as condições podem ter impactos significativos na qualidade de vida. Além de afetar a apreciação de aromas e sabores, essas condições influenciam experiências sensoriais, a capacidade de detectar odores perigosos para a segurança e as interações sociais.

Anosmia 

Refere-se à perda completa do sentido do olfato, impedindo as pessoas de detectar ou identificar qualquer cheiro. Capaz de se apresentar de forma temporária ou persistente, dependendo da causa. 

Além da privação da capacidade de detectar odores, a anosmia também afeta o paladar, resultando em uma percepção comprometida dos sabores. Essa interligação entre olfato e paladar é crucial para a experiência completa da degustação de alimentos.

A língua, responsável pela detecção de características fundamentais, como doce, salgado, azedo, amargoumami, colaborando de maneira íntima com o olfato para proporcionar uma compreensão total dos sabores.

A perda do olfato impacta diretamente a capacidade de discernir nuances e complexidades nos alimentos, uma vez que grande parte da nossa percepção do sabor é influenciada pela aromatização dos alimentos. Por exemplo, a fragrância de uma fruta ou a sutileza de uma especiaria contribuem significativamente para a riqueza do sabor percebido.

Em situações pouco comuns, a falta do sentido olfativo pode se manifestar desde o nascimento, caracterizando-se como anosmia congênita. Este fenômeno ocorre quando há um distúrbio genético hereditário ou um desenvolvimento anormal do sistema olfativo.

Hiposmia 

Caracterizada pela redução parcial da capacidade olfativa, resultando em uma diminuição na intensidade ou clareza na percepção de cheiros. Ao contrário da anosmia, onde ocorre a perda completa do olfato, os indivíduos com hiposmia não perdem totalmente a capacidade de detectar odores.

Nessa condição, as pessoas podem enfrentar desafios na identificação precisa de aromas e podem perceber uma diminuição na nitidez das experiências olfativas. 

O tratamento visa abordar as causas sempre que possível, e estratégias de adaptação podem ser exploradas para ajudar a melhorar a qualidade de vida dessas pessoas.

Quais as causas?

A anosmia e hiposmia podem ter diversas causas, e a identificação do motivo é essencial para o diagnóstico e tratamento. Estando ligada principalmente ao envelhecimento, pois é comum ocorrerem mudanças nas funções sensoriais à medida que o tempo passa. 

Algumas das outras causas associadas a ambas as condições:

Distúrbios Nasais

Condições como pólipos nasais, sinusite crônica ou desvio de septo nasal são consideradas distúrbios nasais que podem impactar diretamente a função olfativa. Pólipos nasais são crescimentos benignos que podem obstruir as passagens nasais, reduzindo a passagem de ar e a capacidade de detectar odores.

sinusite crônica é uma inflamação persistente dos seios paranasais, também pode prejudicar o olfato devido à obstrução e inflamação. Da mesma forma, um desvio de septo nasal, uma condição em que a parede que separa as narinas é deslocada, pode causar obstrução e afetar a percepção de cheiros.

Infecções Respiratórias

Resfriados, gripes e outras infecções respiratórias superiores são frequentemente associados a uma perda temporária de olfato. Essas infecções podem inflamar as vias nasais, prejudicando a função dos receptores olfativos e dificultando a detecção de odores durante o período da doença.

Doenças infecciosas

Infecções virais, como a causada pelo vírus SARS-CoV-2, responsável pela COVID-19, podem levar a uma perda temporária ou persistente do olfato. Essa relação tem sido especialmente evidente em casos de anosmia.

Traumas na cabeça

Lesões na cabeça, como concussões ou fraturas do crânio, representam um risco significativo para o sistema olfativo. O impacto traumático pode danificar as estruturas como nervos e os receptores olfativos, levando a uma perda temporária ou permanente do olfato, dependendo da gravidade do trauma.

Exposição a Substâncias Químicas

A exposição a produtos químicos tóxicos ou irritantes das vias respiratórias representa uma ameaça significativa ao sistema olfativo, pois pode resultar em danos diretos a essa delicada e sensível parte do corpo. 

Essa exposição pode ocorrer em vários cenários, sendo os ambientes de trabalho frequentemente associados a riscos potenciais. Trabalhadores expostos a essas substâncias podem sofrer danos diretos nas células sensoriais do nariz, resultando em perda do olfato.

Produtos de limpeza doméstica ou industrial que contenham substâncias químicas agressivas, como amônia, cloro ou solventes, podem representar um perigo para o olfato, especialmente em ambientes pouco ventilados.

Profissões que envolvem a manipulação de produtos químicos, como trabalhadores de laboratórios, indústrias químicas ou serviços de limpeza industrial, estão sujeitas a um maior risco de danos afetivos devido à exposição crônica.

Em situações em que ocorre a inalação acidental de vapores tóxicos, fumaça ou poeira química em ambientes não controlados podem resultar em danos imediatos e cumulativos ao sistema olfativo.

Distúrbios Neurológicos

Doenças neurológicas, como a doença de ParkinsonAlzheimer ou esclerose múltipla, podem impactar negativamente o olfato. As alterações no sistema nervoso central afetam a transmissão de sinais olfativos ao cérebro, resultando em uma diminuição na sua capacidade de identificar odores.

Medicamentos

Certos medicamentos, como alguns antibióticos, antidepressivos e medicamentos para pressão arterial, podem ter efeitos colaterais que afetam o olfato interferindo na função dos receptores olfativos ou na transmissão de sinais nervosos associados ao olfato.

Leia mais: Antidepressivo: qual é o melhor e o mais usado? E os novos? 

Diagnóstico

O diagnóstico de distúrbios olfativos é uma etapa conduzida pelo médico otorrinolaringologista. O processo para diagnosticar compreende uma avaliação detalhada, envolvendo a coleta de informações por meio da anamnese, a condução de um exame físico minucioso e a realização da nasofibrolaringoscopia.

O papel do otorrinolaringologista na gestão de distúrbios olfativos é essencial devido à sua especialização nas áreas do ouvido, nariz e garganta. A perda ou alteração do olfato muitas vezes está associada a condições que afetam diretamente as estruturas nasais, onde o médico otorrinolaringologista possui expertise.

Em situações em que a perda do olfato está relacionada a condições como resfriados, alergias e sinusites, é comum observar uma resolução espontânea dos sintomas ao longo de alguns dias. Contudo, caso essa recuperação não ocorra, é imperativo entrar em contato com o médico novamente para uma avaliação mais aprofundada.

Para a investigação mais detalhada das causas é usada a endoscopia nasal, proporcionando acesso direto à fenda olfatória e permitindo uma visualização precisa das estruturas nasais. Em conjunto, exames de imagem como tomografia computadorizada e ressonância magnética são frequentemente empregados para uma avaliação abrangente. 

A ressonância magnética, em particular, destaca-se na análise do bulbo olfatório, tratos olfatórios e possíveis causas intracranianas dos distúrbios da olfação.

A combinação dessas abordagens diagnósticas oferece uma visão geral, permitindo ao profissional de saúde identificar com precisão a origem do distúrbio olfativo. Com base nessas conclusões, estratégias de intervenção específicas podem ser adotadas, proporcionando um direcionamento eficaz para o tratamento do paciente.

Anosmia e hiposmia têm tratamento?

Ilustração de um mulher de cabelo curto aplicando remédio no nariz..

O tratamento para a anosmia e hiposmia depende da causa latente do distúrbio. Em alguns casos as condições podem ser reversíveis, especialmente se estiver relacionada a condições temporárias, como resfriados, alergias ou sinusites. 

Em circunstâncias de perda do olfato persistente, a reabilitação olfativa pode ser recomendada. Isso envolve a exposição controlada a odores específicos para treinar e estimular os receptores olfativos.

Se a anosmia ou hiposmia estiver relacionada a uma infecção, alergia ou inflamação nasal, tratar a condição subjacente pode ajudar a restaurar a função olfativa.  

Em determinadas situações, o médico pode optar por prescrever medicamentos, como corticosteroides intranasais, como parte do tratamento. Esses medicamentos têm a finalidade de diminuir a inflamação nas vias respiratórias superiores. 

Essa abordagem visa aliviar os sintomas associados a condições como alergias, sinusites ou outras inflamações nasais, proporcionando um alívio eficaz. 

A prescrição desses medicamentos e sua dosagem específica dependerão da avaliação clínica individual feita pelo profissional de saúde, levando em consideração a natureza e a gravidade da condição do paciente.

Em situações nos quais obstruções nasais, presença de pólipos ou outras irregularidades anatômicas estão desempenhando um papel na perda do olfato, intervenções cirúrgicas podem ser contempladas como parte do plano de tratamento. 

Um pólipo nasal é um crescimento anormal de tecido, são pequenas protuberâncias em formato de bolsas, geralmente macias e indolores. Eles podem se formar em ambos os lados do nariz ou em apenas um.

Procedimentos cirúrgicos, como a remoção de pólipos ou a correção de desvios septais, podem ser realizados para restaurar a função olfativa. Essas intervenções visam corrigir as condições físicas que estão impactando negativamente o olfato, proporcionando assim melhorias significativas na capacidade do paciente de perceber e identificar odores. 

A decisão de realizar cirurgia e o tipo específico de procedimento dependerão da avaliação detalhada feita por profissionais de saúde especializados, levando em consideração a situação clínica única de cada paciente.

No entanto, em alguns casos, especialmente quando a anosmia está associada a condições mais graves, como danos neurológicos ou distúrbios degenerativos, o tratamento pode ser desafiador e nem sempre resulta em uma recuperação completa.

Prevenções

A prevenção contra a anosmia e hiposmia envolve principalmente práticas que visam preservar a saúde do sistema olfativo. Algumas medidas que podem ajudar:

  • Evitar exposição a substâncias tóxicas, como produtos químicos, solventes fortes, produtos de limpeza agressivos e poluentes atmosféricos;
  • Não fumar;
  • Tratar de possíveis infecções respiratórias;
  • Evitar qualquer tipo de lesões na cabeça; 
  • Higiene nasal, fazendo uso de lavagem nasal.

Exames de rotina e manter consultas periódicas com um profissional de saúde desempenham um papel crucial na identificação precoce de condições médicas que podem afetar a função olfativa. 

Leia mais: Lavagem nasal: quando é indicada, como fazer e cuidados 


O olfato faz parte do sistema complexo de percepção sensorial que contribui para identificação e apreciação dos sabores, equipado com nervos especializados, detecta uma ampla gama de odores.

A importância de realizar consultas regulares para cuidar da saúde olfativa está intrinsecamente ligada ao impacto significativo que a anosmia (perda total do olfato) e hiposmia (diminuição do olfato) podem ter na qualidade de vida e no bem-estar geral.

Consultas regulares com um profissional de saúde, especialmente um otorrinolaringologista, permitem a detecção precoce de qualquer alteração no olfato. Isso é crucial para identificar e tratar possíveis causas, como infecções, inflamações, obstruções nasais ou condições neurológicas.

O olfato desempenha um papel crucial na experiência sensorial e na qualidade de vida, a capacidade de cheirar contribui para a apreciação de alimentos, detecção de perigos (como odores de substâncias tóxicas) e a conexão emocional com o ambiente.

Além disso, a perda do olfato pode influenciar negativamente a nutrição, pois o paladar está intimamente ligado ao olfato. A incapacidade de cheirar aromas familiares também pode afetar o bem-estar emocional e a qualidade de vida.

Fique atualizado sobre este e outros assuntos relacionados à saúde, visitando o site e redes sociais do Minuto Saudável. Você terá acesso a informações regulares sobre saúdebem-estar e dicas úteis para uma vida mais saudável.




Source link