Relembre os principais momentos da pandemia de Covid nos últimos três anos – Notícias



Desde sua detecção, no fim de 2019 na China, à suspensão da situação de emergência sanitária mundial, a Covid-19 passou por uma fase de propagação pandêmica, com muitas variantes, que deixou milhões de mortos e paralisou a economia global.


Surgimento


Em 31 de dezembro de 2019, a OMS (Organização Mundial da Saúde) recebe a informação de casos de uma pneumonia “de origem desconhecida” na cidade chinesa de Wuhan (centro).


Em 7 de janeiro de 2020, a causa é identificada: um novo vírus da família dos coronavírus. Quatro dias depois, a China anuncia a primeira morte oficial provocada por uma doença que posteriormente se chamaria Covid-19.


Compartilhe esta notícia no Whatsapp

Compartilhe esta notícia no Telegram


Em 23 de janeiro, as autoridades confinam toda a população de Wuhan para tentar conter a epidemia.


O primeiro óbito oficial fora da Ásia é registrado em 15 de fevereiro: um turista chinês hospitalizado na França.


Pandemia


Em 6 de março, a epidemia supera a marca dos 100 mil casos no mundo. A Itália, primeiro país europeu afetado, impõe um confinamento no norte, que depois estende ao resto do território.


A Europa se entrincheira


Em 16 de março, a Alemanha insta sua população a “ficar em casa” e o Reino Unido pede que se evite qualquer “contato social”. Um dia depois, a França entra em confinamento.





Metade da humanidade confinada




Em 2 de abril, mais de 3,9 bilhões de pessoas, metade da humanidade, são obrigadas ou instadas a se confinar, segundo balanço da AFP. A marca de um milhão de casos é superada.


A polêmica hidroxicloroquina


Em 22 de maio, um estudo internacional de amplo alcance qualifica como ineficaz o tratamento antiCovid com hidroxicloroquina, medicamento antimalária, promovido para tratar a doença pelo médico francês Didier Raoult e apoiado pelos então presidentes dos Estados Unidos, Donald Trump, e do Brasil, Jair Bolsonaro.


Brasil e Estados Unidos afetados


Em 7 de junho, a pandemia supera os 400 mil mortos e avança rapidamente pela América Latina. O Brasil se torna o segundo país com mais vítimas, atrás dos Estados Unidos.





Boicote às máscaras




Vários países europeus impõem o uso de máscaras nos transportes públicos, nas ruas, em escolas e empresas.



No fim do verão, são convocadas manifestações contra as máscaras em Berlim, Londres, Paris e Roma.


Segunda e terceira ondas


Em 28 de setembro, é superada a marca do milhão de mortos.


Na Europa, os contágios voltam a disparar em outubro e vários países decretam novas medidas de confinamento e toques de recolher.


Vacinas em tempo recorde


Vacinas são criadas em tempo recorde e, no fim de 2020, as primeiras doses são aplicadas nos Estados Unidos e na Europa.





Novas variantes




Em 5 de janeiro de 2021, o aparecimento, na Inglaterra, de uma variante mais contagiosa obriga o governo a impor um novo confinamento. O restante da Europa endurece as restrições. Outras variantes muito contagiosas são detectadas no Brasil e na África do Sul.


O número de mortos chega aos dois milhões em 15 de janeiro.


Esperança nas vacinas


Campanhas de vacinação têm início em dezembro em Reino Unido, Rússia, Estados Unidos e na União Europeia. A China começa a vacinar em julho.


No começo de março, a pandemia dá sinais de desaceleração nos Estados Unidos, mas volta a crescer na Europa e na América Latina.


A origem do coronavírus


Em janeiro e fevereiro de 2021, uma delegação da OMS investiga, na China, a origem do novo coronavírus.


O mundo científico considera que a pandemia começou porque um animal transmitiu o vírus aos humanos, provavelmente no mercado de Huanan, em Wuhan. Pesquisadores e autoridades americanos defendem a hipótese do vazamento de um laboratório em um instituto científico de Wuhan.


Delta, Ômicron: variantes temidas


Muito mais transmissível, a variante delta provoca uma hecatombe (massacre) em abril e maio de 2021 na Índia, que se torna o terceiro país com mais mortes no mundo.


No fim de novembro, uma variante ainda mais contagiosa, a Ômicron, aparece no sul da África. A nova cepa se propaga rapidamente no começo de 2022 e causa um número recorde de casos, embora seus sintomas sejam mais leves.


Onda epidêmica na China


A inflexível política de “Covid zero” chinesa, baseada em confinamentos drásticos, provoca, em novembro, uma onda de protestos inédito desde as mobilizações pró-democracia na Praça Tiananmen, de Pequim, em 1989.


Em resposta, em 7 de dezembro de 2022, a China abranda as regras sanitárias e em seguida suspende as principais restrições, provocando uma onda de contágios.





Suspensão das medidas




Em março de 2023, a OMS assegura que, em pouco tempo, a Covid não será mais perigosa do que a gripe sazonal.


Progressivamente, os países suspendem a emergência sanitária e suas medidas antiCovid.


Suspensão do alerta máximo


Em 5 de maio, a OMS suspende o nível de alerta máximo. Seu diretor-geral, Tedros Adhanom Ghebreyesus, considera que a pandemia provocou “pelo menos 20 milhões” de mortes, quase três vezes mais que o balanço oficial da organização.


Brasil tem 6 hospitais na lista dos melhores do mundo; saiba quais são




Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *