Salles recua e retira indiciamento de deputado petista


O relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) apresentado pelo deputado federal Ricardo Salles (PL-SP) não apresenta o indiciamento do deputado Valmir Assunção (PT-BA). A alteração do relator se deu com a intenção de aprovar o texto no colegiado.  

“Não se trata de tirar o nome do Valmir, mas de apenas não indiciá-lo”, explicou Salles a Oeste.

+ Condenado por colocar bomba em Brasília fica em silêncio em CPMI

Como adiantado por Oeste, o relatório de Salles apresenta o indiciamento do ex-ministro do Gabinete Institucional de Segurança (GSI) Gonçalves Dias e o líder da Frente Nacional de Lutas (FNL), José Rainha. Além deles, o nome do diretor-superintendente do Instituto de Terras e Reforma Agrária de Alagoas (Iterra-AL), Jaime Messias Silva, aparece como pedido de indiciamento. Ao todo, o relator pediu indiciamento de 11 pessoas.

O documento apresentado, também aponta o Incra como “o maior latifundiário improdutivo do país”. O material também relaciona aos acampamentos um trabalho análogo a escravidão. Salles também acusa o MST de “intensa doutrinação ideológica marxista sobre adultos e crianças”.

A CPI do MST foi instalada em maio. O prazo de encerramento da comissão está programado para terça-feira 26. 

+ Lula diz que entregadores de aplicativos usam fraldão: ‘Trabalho escravo’

Troca de parlamentares na CPI do MST

CPI Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) | Foto: Vinicius Loures / Câmara dos Deputados
O deputado Tenente-Coronel Zucco (Republicanos-RS), presidente da CPI do MST, durante sessão do colegiado | Foto: Vinicius Loures/Câmara dos Deputados

Em agosto, integrantes da oposição foram retirados do colegiado devido a uma manobra do governo Lula, com a promessa de entregar cargos ao centrão. Ainda no mesmo mês, Republicanos, PP e o União Brasil articularam novas substituições dos parlamentares, o que poderia fazer a oposição voltar a ser maioria na comissão.

Leia também: “Ministério Público de SP recorre de decisão de Toffoli que anulou provas da Odebrecht”



Source link