SP registra aumento de 102% nos atendimentos em hospitais por efeitos do calor – Notícias



A SES-SP (Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo) registrou, nos sete primeiros meses de 2023, um aumento de 102,5% nos atendimentos ambulatoriais e nas internações por causas relativas à exposição ao calor em relação a 2022.


Foram 312 neste ano e 154 no mesmo período de 2022. A pasta reforça a toda a população a necessidade de cuidados redobrados durante a semana, quando as altas temperaturas no estado de São Paulo podem chegar aos níveis mais elevados do ano.



Pessoas com mais de 60 anos, crianças com menos de 4 anos e indivíduos com deficiências cognitivas são os mais afetados.


“Os principais cuidados são tomar líquidos, principalmente água, no mínimo 1 litro e meio a 2 litros, que devem ser ingeridos ao longo do dia e não de uma vez só; os ambientes devem ser mantidos arejados e frescos; usar roupas leves; e, se for realizar exercício físico ou passeios, fazer isso antes das 10h ou depois das 16h, evitando ficar em exposição ao sol mais intenso,” afirma a médica geriatra Erica Boteom.


Esses cuidados são especialmente necessários para os idosos, crianças de colo e pessoas com alterações cognitivas, pois elas têm capacidade reduzida de perceber ou comunicar a sede e regular a própria temperatura, mas são recomendações que devem ser observadas por todos.


Mortes causadas pelo calor


As pessoas que são parte desses grupos de risco precisam de muita atenção do cuidador para não correr o risco de desidratação e de efeitos colaterais durante esses dias de calor extremo, que podem levar até a óbito. Em 2023, a SES registrou cinco mortes por causas relacionadas ao calor.


“Por mais que seja por período curto, nunca se deve deixar a criança dentro do carro neste momento, em que temos temperaturas elevadas até o começo da noite, porque o carro é uma estrutura metálica e, portanto, ele aquece com a temperatura externa e, dentro, a temperatura é mais elevada do que do lado de fora,” aponta Jamil Caldas, pediatra e diretor da Divisão de Neonatologia do Centro de Atenção Integral à Saúde da Mulher da Unicamp. Segundo ele, óbitos por esse motivo são frequentes.


A dependência para se alimentar e a dificuldade em comunicar quando estão com sede e com calor são alguns dos fatores que colocam as crianças e os idosos em risco.


· Compartilhe esta notícia no WhatsApp
· Compartilhe esta notícia no Telegram


No entanto, segundo o doutor Jamil, as crianças também perdem mais líquidos, proporcionalmente, em relação aos adultos. A criança quando sofre com os efeitos de calor extremo fica irritada, chorosa, se ela já tem capacidade de se expressar avisa que está quente, que está passando mal, que está com sede, pode apresentar pele avermelhada pelo aumento da temperatura corporal, passa a urinar menos e requer atenção do adulto para arejar o ambiente e oferecer líquidos para ajudá-la a regular sua temperatura.


Sinais de sonolência, letargia, fraqueza, dores de cabeça persistentes e resistentes a analgésicos, tontura intensa, náusea, vômito e convulsões são sinais de desidratação e excesso de temperatura corporal extremos e devem levar qualquer pessoa, de qualquer idade, a buscar assistência médica imediata.


Idosos também têm mais riscos de apresentar desidratação, pois estão mais sujeitos a outras doenças, como diabetes e hipertensão, que levam ao uso de medicações que aumentam a quantidade de perda de líquido pela urina, e isso faz com que o idoso precise repor mais água por via oral nas épocas em que ele transpira mais.


Além disso, a diminuição natural das funções do hipotálamo, parte do sistema nervoso que regula a temperatura do corpo, faz com que o idoso sinta menos sede, o que exige uma rotina de tomar água em intervalos regulares, independentemente da sensação de necessidade.


*Estagiária sob supervisão de Rodrigo Balbino, da Record TV




Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *