teste genético auxilia no tratamento de corrimento vaginal recorrente

[ad_1]

Um dos principais motivos que levam as mulheres a buscarem atendimento ginecológico é o corrimento vaginal de repetição. A recorrência acontece porque o tratamento comum se baseia em exames limitados, como a bacterioscopia e a cultura de secreção vaginal. O caso se difere do exame de microbioma vaginal, recém-lançado pela Dasa Genômica, braço genômico da Dasa, a maior rede de saúde integrada do Brasil.

O novo teste faz o sequenciamento genético da microbiota vaginal, utilizando a medicina de precisão para entender com mais propriedade como está a comunidade microbiana da paciente, podendo, então, fornecer informações personalizadas que auxiliarão o médico na escolha das melhores intervenções.

O Dr. Alessandro Silveira, consultor de genômica de microrganismos da Dasa Genômica, explica que a tecnologia do novo teste é a mesma usada para o sequenciamento genético da genética humana. O principal foco é uma avaliação mais criteriosa da comunidade microbiana como um todo, entendendo seu impacto nas manifestações clínicas.

Os microrganismos constituem um importante componente de defesa da mucosa vaginal, pois mantêm a acidez vaginal, atuando contra agentes agressivos e patogênicos, como Candida spp., por exemplo. “A candidíase de repetição é um problema muito comum, com prejuízo na qualidade de vida da mulher. Há também outra situação clínica frequente: as vaginoses. Originadas por um desequilíbrio da microbiota vaginal saudável, ocorrem devido a uma proliferação de microrganismos, como Gardnerella vaginalis”, comenta.

“Sabemos que existem vários tipos de microbiotas. Podemos enumerar de uma até cinco e, dependendo do tipo, é possível verificar se a paciente está mais pré-disposta a ter essas infecções. Ter esse conhecimento mais detalhado é essencial para auxiliar o médico nas tomadas de decisão, uma vez que terá pleno entendimento do que está acontecendo com as pacientes, diminuindo as chances de recorrência”, enfatiza.

O exame é feito por meio de uma raspagem vaginal e pode ser colhido no consultório médico. “O ginecologista pode colher a amostra junto à do Papanicolau, por exemplo, realizando a coleta em dois frascos separados. O microbioma vaginal vai ajudar na personalização do tratamento das pacientes e, consequentemente, na solução de corrimentos de repetição”, explica a Dra. Adriana Campaner, ginecologista do Alta Diagnósticos.

Foto Destaque: Reprodução



[ad_2]

Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *