Vacinas também ajudam a conter surgimento de bactérias resistentes – Notícias



A automedicação e a prescrição incorreta de antibióticos estão entre as maiores preocupações das autoridades de saúde, que temem que esses problemas continuem a selecionar cada vez mais bactérias resistentes a esses medicamentos, inviabilizando ou encarecendo tratamentos.


Nesse contexto, bloquear a transmissão de bactérias, prevenir infecções e reduzir o uso de antibióticos estão entre as vantagens que as vacinas trouxeram para a saúde pública.


A diretora da SBIm (Sociedade Brasileira de Imunizações), Flávia Bravo, explica que esse é um papel fundamental de vacinas como a pneumocócica, que previne contra a bactéria Streptococcus pneumoniae.


“A bactéria até consegue invadir, mas o corpo passa a ter o arsenal para atacar antes que ela cause qualquer estrago. Se você não for vacinado, ela vai fazer um estrago, pequeno, médio ou grande. E como você trata? Com antibiótico. Se você começa a tratar inadequadamente, com doses menores ou toma certo e uma bactéria consegue escapar desse antibiótico, estou criando bactérias resistentes. O uso de antibióticos vai treinando e selecionando as bactérias.”


O resultado disso é que os antibióticos mais usados, chamados de primeira linha, passam a ser menos eficazes, e isso exige que novos medicamentos entrem em ação.


“Assim a gente vai depender do desenvolvimento de antibióticos cada vez mais caros, de menor acesso e com mais eventos adversos, para tratar uma bactéria que você poderia nem ter pegado, com a vacinação. Se eu não tiver doença, eu não preciso usar antibiótico, e não vou selecionar cepas resistentes.”


A prescrição de antibióticos para situações não necessárias, como em viroses, ou sua administração incorreta durante tratamentos são motivos de recorrentes de alerta de autoridades sanitárias e sociedades médicas.


O Ministério da Saúde revela que alguns dos principais erros relacionados são o uso desses medicamentos sem receita médica, para gripes ou garganta inflamada, por exemplo, uso de remédios que sobraram de um tratamento anterior, sem passar por avaliação profissional.


A preocupação com o tema cresceu durante a pandemia de Covid-19, quando médicos recorreram aos antibióticos indevidamente para tratar a doença.


Quadros específicos da doença, especialmente quando envolvem internações, podem associar a Covid-19 à infecção por bactérias, exigindo o uso de antibióticos, mas especialistas identificaram que houve uso excessivo durante a emergência sanitária.


A Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) chegou a advertir que, em 2019, o número de bactérias resistentes detectadas por laboratórios públicos era pouco maior que mil.


Em 2020, no primeiro ano da pandemia, esse número dobrou. E, em 2021, mais que triplicou.


A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) chegou a emitir uma nota técnica em 2021 para reforçar que os antibióticos não são indicados no tratamento de rotina da Covid-19, já que a doença é causada por vírus e esses medicamentos atuam apenas contra bactérias.


Eles são recomendados apenas para os casos com suspeita de infecção bacteriana associada à infecção viral.


O uso incorreto, porém, é apenas uma das causas da preocupação com bactérias resistentes.


Também estão relacionados a esse problema falhas no controle de infecções em hospitais e clínicas, capacitação insuficiente de alguns profissionais de saúde e excesso de uso de antibióticos em animais destinados à alimentação humana.


Sete bactérias e fungos que provocam doenças fatais




Source link