Zambelli e Lindbergh batem boca sobre terrorismo


Os deputados Carla Zambelli (PL-SP) e Lindbergh Farias (PT-RJ) bateram boca por causa de questões relacionadas ao terrorismo. A discussão ocorreu nesta terça-feira, 10, na Câmara dos Deputados. O assunto veio à superfície depois dos ataques terroristas do Hamas contra Israel, no sábado 7.

A discussão teve início após o discurso do petista, que se mostrou incomodado com o fato de políticos da oposição criticarem os atentados dos extremistas islâmicos contra os israelenses.

Zambelli e Lindbergh trocam acusações de terrorismo

“Fico vendo deputado falar de terrorismo”, disse Lindbergh, ao apontar com o dedo indicador para os opositores. “Pergunto, deputados: o que houve em 24 de dezembro? George Washington, com mais dois comparsas, tentaram [sic] explodir o Aeroporto de Brasília.”

Lindbergh se refere à ameaça de bomba na capital federal, no ano passado. O gerente de posto de gasolina George Washington foi condenado a nove anos e quatro meses de prisão, apesar de negar a acusação da Justiça.

Leia também: “Oposição reage à moção do PT que tenta equiparar terror do Hamas com Israel”

“Estou vendo uma deputada, que está me interrompendo, andando com revólver em punho, perseguindo pessoas na véspera da eleição”, disse Lindbergh, ao lembrar o episódio em que Zambelli se envolveu numa confusão com um apoiador do então candidato Luiz Inácio Lula da Silva. “Isso é terrorismo, querida. A senhora é terrorista.”

Indignada, Zambelli rebateu. “O senhor está me chamando de terrorista?”, perguntou. “Você não é homem de dizer isso, não. Esse pessoal não tem coragem de falar e depois ficar no plenário. É um homem que não consegue honrar o que tem no meio das pernas.”

A discussão escalou, e os deputados precisaram ser contidos. “Sabe por que você me interrompeu daquele jeito?”, interpelou Zambelli. “Perguntei se o Hamas é terrorista, e você não foi homem suficiente para dizer que é. Sabe por quê? Porque você, o terrorismo e a lista de propinas da Odebrecht andam de mãos dadas.”



Source link